Domingo
27 de Setembro de 2020 - 

Notícias

Newsletter

Cadastre seu email, para receber informativos períodicos.

Previsão do tempo

Hoje - Campinas, SP

Máx
35ºC
Min
18ºC
Predomínio de

Segunda-feira - Campinas...

Máx
35ºC
Min
21ºC
Predomínio de

Terça-feira - Campinas,...

Máx
34ºC
Min
20ºC
Predomínio de

Hoje - São Paulo, SP

Máx
33ºC
Min
17ºC
Predomínio de

Segunda-feira - São Pau...

Máx
34ºC
Min
18ºC
Parcialmente Nublado

Terça-feira - São Paul...

Máx
30ºC
Min
17ºC
Predomínio de

Hoje - Rio Claro, SP

Máx
36ºC
Min
15ºC
Predomínio de

Segunda-feira - Rio Clar...

Máx
37ºC
Min
17ºC
Predomínio de

Terça-feira - Rio Claro...

Máx
35ºC
Min
17ºC
Predomínio de

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 5,57 5,57
EURO 6,47 6,47

Tribunal promove live sobre os 14 anos da Lei Maria da Penha

Avanços e desafios foram avaliados.   O Tribunal de Justiça de São Paulo promoveu na sexta-feira (7), em seu perfil no Instagram (@tjspoficial), live sobre os 14 anos da Lei Maria da Penha e os canais de atendimento para as vítimas em São Paulo. O evento foi conduzido pela juíza interante da Coordenadoria da Mulher em Situação de Violência Doméstica e Familiar do Poder Judiciário do Estado de São Paulo (Comesp), Teresa Cristina Cabral Santana, e contou com a participação da defensora pública coordenadora do Núcleo de Promoção e Defesa dos Direitos das Mulheres da Defensoria Pública do Estado de São Paulo, Paula Sant’Anna Machado de Souza. A live está disponível no Instagram. Para a defensora Paula Souza, um dos grandes feitos com relação à lei foi tirar a violência do ambiente doméstico e familiar e trazê-la para o âmbito jurídico, articulando-se o combate e a prevenção desta violência.  Teresa Cabral pontuou que, apesar de a Lei Maria da Penha ser a terceira lei mais completa do mundo na defesa dos direitos humanos das mulheres, os índices de violência de gênero continuam altos. Paula Souza ressaltou que a lei, justamente por ser tão completa, constitui um desafio em si na sua execução, sobretudo por falta de apoio orçamentário. “Temos bastante informação sobre a lei, as mulheres estão cada vez mais cientes de seus direitos e o aumento do índice de denúncias vem disso”, afirmou a defensora pública. “Mas, estudos apontam diminuição do orçamento federal para promoção de políticas públicas para defesa das mulheres.” Paula aponta, por exemplo, a falta de abrigos sigilosos para mulheres em situação de violência. “Contamos com pouco mais de 30 municípios com estes abrigos”, apontou. Dos vários tipos de violência elencados na LMP, a juíza Teresa Cabral destacou a violência psicológica, que é a mais naturalizada pela sociedade. A violência psicológica é aquela em que não se permite à mulher que construa sua vida por meios próprios; que a impede, de várias formas, de sair sozinha, de estudar e de trabalhar, confinando-a à vida estritamente doméstica. Segundo a Organização Mundial de Saúde, é o tipo de violência de gênero mais presente no ambiente doméstico e familiar. “Fica o desafio para nós, enquanto sociedade, não naturalizarmos esta violência e trabalharmos estas desconstruções”, pontuou a defensora. Paula Souza citou várias ferramentas de que as mulheres dispõem para enfrentar casos de violência. Dentre elas, a medida protetiva, que não necessita de boletim de ocorrência para ser emitida. As vítimas têm a seu dispor uma rede de instituições - Polícia Militar, Ministério Público, Defensoria Pública, Poder Judiciário, centros de referência e de convivência etc. - trabalhando em conjunto, provendo os vários elementos necessários ao rompimento da violência. Sobre os obstáculos trazidos pela pandemia ao enfrentamento da violência de gênero, as participantes ressaltaram que o atual contexto tornou transparente todas as vulnerabilidades sociais, inclusive das mulheres. Para Teresa Cabral, a pandemia tornou muito evidente as desigualdades com relação à questão de gênero, “na forma como mulheres são mais sobrecarregadas no serviço doméstico e como são alijadas do mercado de trabalho”. A juíza afirmou que a sociedade precisa repensar tais condutas, “proporcionando igualdade e relacionamentos interpessoais que não reforcem estes padrões discriminatórios”.  imprensatj@tjsp.jus.br   Siga o TJSP nas redes sociais:  www.facebook.com/tjspoficial www.twitter.com/tjspoficial www.youtube.com/tjspoficial www.flickr.com/tjsp_oficial www.instagram.com/tjspoficial  
09/08/2020 (00:00)

Contate-nos

Sede

Rua Cinco nº  3190
-  Jardim Portugal
 -  Rio Claro / SP
-  CEP: 13504-114
+55 (19) 3023-4161+55 (19) 982827143+55 (11) 959688234
© 2020 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Visitas no site:  814763