Domingo
27 de Setembro de 2020 - 

Notícias

Newsletter

Cadastre seu email, para receber informativos períodicos.

Previsão do tempo

Hoje - Campinas, SP

Máx
35ºC
Min
18ºC
Predomínio de

Segunda-feira - Campinas...

Máx
35ºC
Min
21ºC
Predomínio de

Terça-feira - Campinas,...

Máx
34ºC
Min
20ºC
Predomínio de

Hoje - São Paulo, SP

Máx
33ºC
Min
17ºC
Predomínio de

Segunda-feira - São Pau...

Máx
34ºC
Min
18ºC
Parcialmente Nublado

Terça-feira - São Paul...

Máx
30ºC
Min
17ºC
Predomínio de

Hoje - Rio Claro, SP

Máx
36ºC
Min
15ºC
Predomínio de

Segunda-feira - Rio Clar...

Máx
37ºC
Min
17ºC
Predomínio de

Terça-feira - Rio Claro...

Máx
35ºC
Min
17ºC
Predomínio de

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 5,57 5,57
EURO 6,47 6,47

TJSP rejeita plano de recuperação judicial aprovado em assembleia

Pagamento de credores com CRI contraria disposição legal.   A 1ª Câmara Reservada de Direito Empresarial do Tribunal de Justiça de São Paulo manteve a rejeição de plano de recuperação judicial de empresa de informática. De acordo com os autos, consta do plano que o pagamento dos credores trabalhistas será realizado por meio de títulos imobiliários, os Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRIs), relativos à venda de Unidade Produtiva Imobiliária (UPI), cujo pagamento será feito em aproximadamente sete anos. Apesar de ter sido aprovado em Assembleia de Credores, o plano foi rejeitado em Juízo. O relator do recurso, desembargador Cesar Ciampolini Neto, afirmou que "o fato de o plano de recuperação ter sido aprovado pelos credores presentes em assembleia não afasta a necessidade de compatibilização de suas regras com o ordenamento jurídico". Segundo o magistrado, sete anos para pagamento dos créditos trabalhistas é "expediente inadmissível", pois a lei estipula prazo não superior a um ano. Além disso, Cesar Ciampolini apontou que o plano de recuperação infringe o que dispõe a Consolidação das Leis de Trabalho em seu artigo 463, ao propor o pagamento de salários em títulos, e não em dinheiro. "Já se disse na decisão inicial, mas não custa enfatizar que reza a C.L.T. que o pagamento de salários se faça em moeda corrente", ressaltou o desembargador. "Dessa forma, enfim, não se pode admitir a homologação do plano de recuperação judicial." Participaram do julgamento, que teve votação unânime, os desembargadores Eduardo Azuma Nishi e Marcelo Fortes Barbosa Filho. Agravo de Instrumento nº 2268472-74.2019.8.26.0000 imprensatj@tjsp.jus.br Siga o TJSP nas redes sociais: www.facebook.com/tjspoficial www.twitter.com/tjspoficial www.youtube.com/tjspoficial www.flickr.com/tjsp_oficial www.instagram.com/tjspoficial  
13/09/2020 (00:00)

Contate-nos

Sede

Rua Cinco nº  3190
-  Jardim Portugal
 -  Rio Claro / SP
-  CEP: 13504-114
+55 (19) 3023-4161+55 (19) 982827143+55 (11) 959688234
© 2020 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Visitas no site:  814685