Domingo
20 de Outubro de 2019 - 

Notícias

Newsletter

Cadastre seu email, para receber informativos períodicos.

Previsão do tempo

Hoje - Campinas, SP

Máx
27ºC
Min
16ºC
Pancadas de Chuva a

Segunda-feira - Campinas...

Máx
26ºC
Min
14ºC
Pancadas de Chuva a

Terça-feira - Campinas,...

Máx
27ºC
Min
17ºC
Pancadas de Chuva a

Hoje - São Paulo, SP

Máx
20ºC
Min
15ºC
Pancadas de Chuva a

Segunda-feira - São Pau...

Máx
25ºC
Min
14ºC
Pancadas de Chuva a

Terça-feira - São Paul...

Máx
20ºC
Min
16ºC
Pancadas de Chuva a

Hoje - Rio Claro, SP

Máx
28ºC
Min
15ºC
Pancadas de Chuva a

Segunda-feira - Rio Clar...

Máx
26ºC
Min
14ºC
Pancadas de Chuva a

Terça-feira - Rio Claro...

Máx
27ºC
Min
14ºC
Pancadas de Chuva a

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 4,14 4,14
EURO 4,61 4,62

MPRJ ajuíza Representação por Inconstitucionalidade contra Lei que parcela débitos fiscais de devedores em recuperação judicial

O Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro, por meio da Subprocuradoria-Geral de Justiça de Assuntos Cíveis e Institucionais, e delegação de atribuição do procurador-geral de Justiça, ajuizou, no dia 11 de setembro, a Representação por Inconstitucionalidade nº 0057559-46.2019.8.19.0000, visando à declaração de inconstitucionalidade da Lei nº 8.502. De 30 de agosto de 2019, a legislação estadual dispõe sobre a transação e o parcelamento de débitos fiscais de devedores em recuperação judicial. Procedimentos que, na prática, representam renúncia de receita aos cofres públicos fluminenses. Ressalta o Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ) que, considerando o elevado estoque da dívida ativa estadual, associado ao grave quadro de crise econômico-financeiro pelo qual atravessa o Estado, que redundou em inúmeros requerimentos de recuperação judicial, é inexorável concluir que os benefícios fiscais instituídos pela norma impugnada poderão, sim, acarretar prejuízo de grande vulto à receita pública estadual, sem a correspondente demonstração de proporcionais resultados sociais, como contrapartida à concessão de tais vantagens. A ação direta inclui pedido de natureza cautelar, pleiteando a imediata suspensão da eficácia da norma estadual. Segundo consta da peça inicial, o perigo na demora do provimento jurisdicional se manifesta diante da “existência de, pelo menos, dois grandes grupos econômicos devedores de tributos estaduais sob regime de recuperação judicial que poderiam vir a obter o parcelamento previsto na Lei inconstitucional”. Na fundamentação do pedido, alega o MPRJ que a referida legislação viola o dever do Estado de realizar a estimativa do impacto orçamentário e financeiro decorrente da criação de renúncia de receita; a ofensa à regra de concessão de benefícios fiscais relativos ao ICMS mediante deliberação dos Estados e do Distrito Federal; ao mesmo tempo em que afronta os princípios federativo, da reserva legal tributária, da separação dos poderes, da economicidade, do interesse coletivo, da transparência e da responsabilidade fiscal. Por fim, o MPRJ aponta que a lei poderá ensejar a aplicação de sanções ao RJ, em função da inobservância do Convênio CONFAZ nº 59/2012 e do Regime de Recuperação Fiscal, instituído pela Lei Complementar nº 159/2017. De acordo com o artigo 8ª, inciso IX, desta LC, é vedado aos estados que se enquadram nessa situação “a concessão ou a ampliação de incentivo ou benefício de natureza tributária da qual decorra renúncia de receita”, sendo certo que, nos termos do artigo 13, inciso I, do mesmo diploma legal, a inobservância da referida regra pode resultar na extinção do Regime de Recuperação Fiscal.

Contate-nos

Sede

Rua Cinco nº  3190
-  Jardim Portugal
 -  Rio Claro / SP
-  CEP: 13504-114
+55 (19) 3023-4161+55 (19) 982827143+55 (11) 959688234
© 2019 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Visitas no site:  450680