Quinta-feira
22 de Abril de 2021 - 

Notícias

Newsletter

Cadastre seu email, para receber informativos períodicos.

Previsão do tempo

Hoje - Campinas, SP

Máx
23ºC
Min
13ºC
Parcialmente Nublado

Sexta-feira - Campinas, ...

Máx
24ºC
Min
13ºC
Parcialmente Nublado

Sábado - Campinas, SP

Máx
26ºC
Min
13ºC
Parcialmente Nublado

Hoje - São Paulo, SP

Máx
21ºC
Min
15ºC
Chuvas Isoladas

Sexta-feira - São Paulo...

Máx
23ºC
Min
15ºC
Parcialmente Nublado

Sábado - São Paulo, SP

Máx
27ºC
Min
14ºC
Predomínio de

Hoje - Rio Claro, SP

Máx
24ºC
Min
12ºC
Parcialmente Nublado

Sexta-feira - Rio Claro,...

Máx
24ºC
Min
10ºC
Parcialmente Nublado

Sábado - Rio Claro, SP

Máx
26ºC
Min
11ºC
Parcialmente Nublado

Justiça condena mulher que atropelou jovem na Vila Madalena

Decisão é da 23ª Vara Criminal.   A 23ª Vara Criminal Central de São Paulo condenou mulher que atropelou jovem na Vila Madalena por homicídio culposo a três anos de detenção em regime aberto. A pena corporal foi substituída por duas penas restritivas de direito: prestação de serviços à comunidade por três anos e multa no valor de 20 salários mínimos a ser destinada a entidades sociais, vedada eventual possibilidade de dedução da pena de multa por valor de indenização já pago aos familiares da vítima. À ré também foi aplicada a suspensão ou proibição de obter habilitação por dois anos. De acordo com os autos, em 2011 a ré conduzia um carro importado e blindado, pertencente ao namorado, quando capotou o veículo e atropelou o administrador de empresas que estava na calçada, causando sua morte. O dono do carro estava no banco do passageiro e teria tombado sobre a motorista, fazendo com que ela soltasse as mãos do volante e perdesse o controle do carro. Inicialmente, a acusada foi denunciada por homicídio doloso, sendo a denúncia recebida e proferida sentença de pronúncia (que determina julgamento do caso por júri popular). Dessa sentença, houve recurso ao Tribunal de Justiça, que desclassificou o homicídio doloso para homicídio culposo. Essa decisão foi confirmada pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ). A denúncia, então, foi aditada pelo Ministério Público e o processo redistribuído para a Vara Criminal comum. Na sentença, a juíza Valéria Longobardi destaca que não há dúvidas de que houve imprudência, sendo de rigor a condenação pela morte da vítima. “Diante das provas coligidas aos autos, é de se constatar que a ré realmente agiu de forma imprudente quando se pôs a conduzir veículo automotor, sob o efeito de ingestão de bebida alcoólica (o que diminui acuidade dos reflexos psicomotores, como é de conhecimento geral), em velocidade incompatível com o local, perdendo a direção do conduzido que era de grande porte e blindado em rua estreita, mal iluminada, quando o passageiro ao seu lado (que estava totalmente embriagado) e não usava cinto de segurança ali se deslocou, fazendo com que a mesma viesse a largar do volante do veículo blindado, batendo num muro, tombando sobre a via pública e atropelando a vítima, provocando-lhe ferimentos que foram a causa eficiente de sua morte, após permanecer cinco dias internado em hospital e se submeter a intervenção cirúrgica.” Na definição da pena, a magistrada considerou ser a ré primária e sem antecedentes criminais, a prática culposa e a falta de provas para o reconhecimento da embriaguez por ausência de bafômetro no local. Cabe recurso da decisão.   Processo nº 0003735-02.2011.8.26.0052   imprensatj@tjsp.jus.br   Siga o TJSP nas redes sociais:  www.facebook.com/tjspoficial www.twitter.com/tjspoficial www.youtube.com/tjspoficial www.flickr.com/tjsp_oficial www.instagram.com/tjspoficial
02/03/2021 (00:00)

Contate-nos

Sede

Rua Cinco nº  3190
-  Jardim Portugal
 -  Rio Claro / SP
-  CEP: 13504-114
+55 (19) 3023-4161+55 (19) 982827143+55 (11) 959688234
© 2021 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Visitas no site:  969068