Sexta-feira
15 de Janeiro de 2021 - 

Notícias

Newsletter

Cadastre seu email, para receber informativos períodicos.

Previsão do tempo

Hoje - Campinas, SP

Máx
26ºC
Min
19ºC
Pancadas de Chuva a

Sábado - Campinas, SP

Máx
26ºC
Min
19ºC
Pancadas de Chuva a

Domingo - Campinas, SP

Máx
27ºC
Min
20ºC
Chuvas Isoladas

Hoje - São Paulo, SP

Máx
29ºC
Min
19ºC
Pancadas de Chuva a

Sábado - São Paulo, SP

Máx
29ºC
Min
20ºC
Pancadas de Chuva a

Domingo - São Paulo, SP

Máx
28ºC
Min
21ºC
Chuva

Hoje - Rio Claro, SP

Máx
27ºC
Min
17ºC
Pancadas de Chuva a

Sábado - Rio Claro, SP

Máx
25ºC
Min
18ºC
Pancadas de Chuva a

Domingo - Rio Claro, SP

Máx
26ºC
Min
19ºC
Chuvas Isoladas

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 5,26 5,26
EURO 6,38 6,39

Empresa de ônibus não pode vender passagens com preços inferiores aos fixados pela Artesp, decide Tribunal

Prática configura concorrência desleal.        A 1ª Câmara Reservada de Direito Empresarial do Tribunal de Justiça de São Paulo determinou que empresa de ônibus deixe de vender passagens entre Presidente Prudente e São Paulo com preço inferior ao estabelecido pela Agência de Transporte do Estado de São Paulo (Artesp). Em caso de descumprimento, a multa diária será de R$ 20 mil, sem limite de aplicação.     A companhia que ingressou com a ação é a permissionária exclusiva da Artesp para prestação de serviço de transporte coletivo entre São Paulo e Presidente Prudente. Alega que a concorrente estaria se aproveitando da autorização da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) para operar dois trechos interestaduais - de Presidente Prudente à cidade paranaense de Porecatu e de lá a São Paulo - para burlar a legislação paulista, comercializando uma “nova linha” entre Presidente Prudente e São Paulo, com conexão em Porecatu (PR), por valores a partir de R$ 99, bem abaixo do fixado pela Artesp, que é de R$ 310.     Para o desembargador Cesar Ciampolini, relator do recurso, cabe apenas à Agência de Transporte do Estado de São Paulo fixar os preços das passagens com embarque em Presidente Prudente e desembarque em São Paulo.  “O mercado de transporte coletivo intermunicipal é altamente regulado com o intuito de evitar-se a presumível desordem que resultaria da livre concorrência entre as empresas transportadoras, em detrimento dos consumidores”, afirmou. Segundo ele, “o valor que a agravada cobra pelas passagens, quase metade do preço imposto pela regulação estatal, acarreta desleal desvio da clientela da empresa que regularmente obteve permissão para operar a linha com exclusividade”.     Completaram a turma julgadora os desembargadores Alexandre Lazzarini e Azuma Nishi. A decisão foi unânime.       Agravo de instrumento nº 2021995-40.2020.8.26.0000            imprensatj@tjsp.jus.br       Siga o TJSP nas redes sociais:      www.facebook.com/tjspoficial     www.twitter.com/tjspoficial     www.youtube.com/tjspoficial     www.flickr.com/tjsp_oficial     www.instagram.com/tjspoficial
23/11/2020 (00:00)

Contate-nos

Sede

Rua Cinco nº  3190
-  Jardim Portugal
 -  Rio Claro / SP
-  CEP: 13504-114
+55 (19) 3023-4161+55 (19) 982827143+55 (11) 959688234
© 2021 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Visitas no site:  895163