Quarta-feira
12 de Agosto de 2020 - 

Notícias

Newsletter

Cadastre seu email, para receber informativos períodicos.

Previsão do tempo

Hoje - Campinas, SP

Máx
30ºC
Min
15ºC
Predomínio de

Quinta-feira - Campinas,...

Máx
32ºC
Min
19ºC
Parcialmente Nublado

Sexta-feira - Campinas, ...

Máx
33ºC
Min
21ºC
Predomínio de

Hoje - São Paulo, SP

Máx
28ºC
Min
15ºC
Parcialmente Nublado

Quinta-feira - São Paul...

Máx
30ºC
Min
16ºC
Parcialmente Nublado

Sexta-feira - São Paulo...

Máx
31ºC
Min
17ºC
Predomínio de

Hoje - Rio Claro, SP

Máx
30ºC
Min
11ºC
Predomínio de

Quinta-feira - Rio Claro...

Máx
32ºC
Min
16ºC
Predomínio de

Sexta-feira - Rio Claro,...

Máx
33ºC
Min
18ºC
Predomínio de

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 5,43 5,43
EURO 6,38 6,39

OE derruba resolução de Mirante do Paranapanema que alterava regras de perda e cassação do mandato de vereadores

Decisão foi unânime.   O Órgão Especial do Tribunal de Justiça de São Paulo, em sessão de julgamento realizada na última quarta-feira (8), por unanimidade julgou inconstitucional a Resolução nº 04, de 6 de agosto de 2019, da Câmara Municipal de Mirante do Paranapanema. A norma alterava a redação de um artigo do Regimento Interno da Câmara Municipal, prevendo a perda do mandato de vereador por condenação penal irrecorrível e condicionando a cassação de mandato parlamentar, por perda ou suspensão de direitos políticos, à decisão da maioria absoluta de seus membros, em plenário. De acordo com o relator da ação, desembargador Artur César Beretta da Silveira, a Câmara Municipal “inovou indevidamente a ordem jurídica, na medida em que:(a) restringiu o âmbito da perda de mandato parlamentar por condenação criminal irrecorrível apenas àqueles casos em que tal decisão processual penal seja emanada por juízo singular (excluindo-se destarte, os casos do Tribunal do Júri); e, (b) afastou da incidência dessa norma as condenações penais oriundas do rito sumaríssimo (Juizado Especial Criminal)”.  O desembargador ressaltou, também, que é inconstitucional a declaração de cassação do mandato parlamentar por deliberação dos membros da Câmara. “A Constituição Paulista (artigo 16, § 3º) define que, uma vez decretada a perda ou suspensão dos direitos políticos de parlamentar, caberá à Mesa Diretora da Casa Legislativa a que pertence, de ofício ou mediante provocação de qualquer de seus membros ou de partido político ali representado, declarar a cassação do respectivo mandato”, escreveu o relator.  Beretta da Silveira apontou, ainda, que a Câmara Municipal de Mirante do Paranapanema confundiu “cassação do mandato” com “perda do mandato”. “Ao inserir a figura do artigo 33, inciso VI, da Lei Orgânica Municipal, na novel redação atribuída ao artigo 245, parágrafo único, de seu Regimento Interno, a Câmara Municipal de Mirante do Paranapanema acabou por confundir as figuras da cassação do mandato (automática, ensejando mera declaração do Presidente da Mesa Diretora da Casa Legislativa) com a perda do mandato (esta sim, dependente de deliberação dos membros do Parlamento)”, escreveu o relator. “E com essa liberdade não conta tal Casa de Leis.”   Adin nº 2019656-11.2020.8.26.0000   imprensatj@tjsp.jus.br   Siga o TJSP nas redes sociais: www.facebook.com/tjspoficial www.twitter.com/tjspoficial www.youtube.com/tjspoficial www.flickr.com/tjsp_oficial www.instagram.com/tjspoficial     
13/07/2020 (00:00)

Contate-nos

Sede

Rua Cinco nº  3190
-  Jardim Portugal
 -  Rio Claro / SP
-  CEP: 13504-114
+55 (19) 3023-4161+55 (19) 982827143+55 (11) 959688234
© 2020 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Visitas no site:  779407