Terça-feira
24 de Novembro de 2020 - 

Notícias

Newsletter

Cadastre seu email, para receber informativos períodicos.

Previsão do tempo

Hoje - Campinas, SP

Máx
30ºC
Min
17ºC
Parcialmente Nublado

Quarta-feira - Campinas,...

Máx
30ºC
Min
17ºC
Parcialmente Nublado

Quinta-feira - Campinas,...

Máx
31ºC
Min
19ºC
Predomínio de

Hoje - São Paulo, SP

Máx
26ºC
Min
17ºC
Parcialmente Nublado

Quarta-feira - São Paul...

Máx
27ºC
Min
17ºC
Parcialmente Nublado

Quinta-feira - São Paul...

Máx
29ºC
Min
19ºC
Predomínio de

Hoje - Rio Claro, SP

Máx
30ºC
Min
15ºC
Poss. de Panc. de Ch

Quarta-feira - Rio Claro...

Máx
29ºC
Min
16ºC
Parcialmente Nublado

Quinta-feira - Rio Claro...

Máx
30ºC
Min
16ºC
Predomínio de

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 5,38 5,38
EURO 6,36 6,36

Mercado deve indenizar mulher negra por abordagem vexatória

Autora da ação foi indevidamente acusada de pedir esmolas.   A 4ª Vara Cível de Votuporanga condenou um supermercado a indenizar por danos morais uma mulher negra que foi vítima de abordagem vexatória por segurança do estabelecimento. A reparação foi fixada em R$ 7 mil. De acordo com os autos, a autora da ação aguardava seu pai no estacionamento do mercado quando foi interpelada pelo segurança. Ele afirmava que ela estaria pedindo esmola e exigia que se retirasse do local. A mulher tentou explicar que aguardava a carona, mas, diante da insistência do preposto, deixou o estacionamento e foi para a rua. Em sua decisão, o juiz Sergio Martins Barbatto Júnior nota que não houve uma atitude da autora que tenha ensejado a abordagem — ou então o fato teria sido gravado pelas câmeras de segurança. "A atuação do preposto do mercado se deu como antecipação de um possível problema. Nesse sentido, a grande questão deste caso em concreto é: por que o funcionário teria desconfiado da autora?", escreveu ele. "O juízo que o funcionário fez da requerente e que o leva a antecipar um problema inexistente, reflete, neste particular, um preconceito profundamente enraizado na sociedade brasileira, histórico, autofágico, construído da escravidão em diante", ponderou. O magistrado escreve que o funcionário não foi agressivo ou usou de violência, mas agiu "achando que estava fazendo o correto ao zelar pelos consumidores e clientes do local". "O que sequer ele percebeu é que dava vazão a um preconceito social tão enraizado e esperado, tão reiterado, que tornou-o, uma pessoa que certamente seria vítima em outras situações, também em agressor", completou o magistrado. Sergio Martins Barbatto Júnior lembra que é dever do estabelecimento zelar pelos clientes, mas que, no caso em questão, a ação da segurança se inseriu no conceito de racismo estrutural, "que parte da compreensão de que o racismo seria elemento constituinte da política e da economia dos Estados, uma forma de discriminação sistemática, não se tratando de atos isolados mas de um fator estrutural que organiza as relações sociais, econômicas e políticas". "Trata-se de reconhecer-se, na estrutura do mercado, um específico viés que, em concreto, neste caso, pelas circunstâncias apuradas, reforça estereótipos e agrava uma diferenciação indevida. Toda abordagem deve ser feita com base em circunstâncias tais, objetivas, que não se vinculem a preconceitos e estereótipos sociais, de forma inclusive a quebra-los, a reverte-los. Neste caso em concreto, por ter sido a autora confundida com alguém pedindo esmolas, sem qualquer indício de que o fazia, e sem que tenha tomado qualquer atitude suspeita de importunação aos outros clientes a justificar a abordagem, tenho que é cabível dano moral", concluiu o juiz. Cabe recurso da decisão.  Especial Dia da Consciência Negra (20 de Novembro) – Ao longo da semana, o portal do TJSP publicou notícias sobre decisões que mostram a importância do trabalho do Judiciário na efetivação dos direitos lembrados e defendidos na data.   imprensatj@tjsp.jus.br Siga o TJSP nas redes sociais:  www.facebook.com/tjspoficial www.twitter.com/tjspoficial www.youtube.com/tjspoficial www.flickr.com/tjsp_oficial www.instagram.com/tjspoficial 
20/11/2020 (00:00)

Contate-nos

Sede

Rua Cinco nº  3190
-  Jardim Portugal
 -  Rio Claro / SP
-  CEP: 13504-114
+55 (19) 3023-4161+55 (19) 982827143+55 (11) 959688234
© 2020 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Visitas no site:  859820