Domingo
20 de Outubro de 2019 - 

Notícias

Newsletter

Cadastre seu email, para receber informativos períodicos.

Previsão do tempo

Hoje - Campinas, SP

Máx
27ºC
Min
16ºC
Pancadas de Chuva a

Segunda-feira - Campinas...

Máx
26ºC
Min
14ºC
Pancadas de Chuva a

Terça-feira - Campinas,...

Máx
27ºC
Min
17ºC
Pancadas de Chuva a

Hoje - São Paulo, SP

Máx
20ºC
Min
15ºC
Pancadas de Chuva a

Segunda-feira - São Pau...

Máx
25ºC
Min
14ºC
Pancadas de Chuva a

Terça-feira - São Paul...

Máx
20ºC
Min
16ºC
Pancadas de Chuva a

Hoje - Rio Claro, SP

Máx
28ºC
Min
15ºC
Pancadas de Chuva a

Segunda-feira - Rio Clar...

Máx
26ºC
Min
14ºC
Pancadas de Chuva a

Terça-feira - Rio Claro...

Máx
27ºC
Min
14ºC
Pancadas de Chuva a

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 4,14 4,14
EURO 4,61 4,62

Mantida condenação, por improbidade, de ex-funcionários da Câmara e Prefeitura de Carapicuíba

Réus acumularam cargos nas duas instituições.         A 8ª Câmara de Direito Público do Tribunal de Justiça de São Paulo manteve a condenação de quatro ex-funcionários que acumularam cargos públicos na Câmara e Prefeitura de Carapicuíba, sem compatibilidade de horários. A decisão determinou a perda da função pública; ressarcimento do dano causado ao erário, no montante equivalente aos valores percebidos ilegalmente; multa civil correspondente a uma vez o valor do acréscimo patrimonial indevido; e proibição de contratar com o Poder Público, ou receber benefícios ou incentivos fiscais, pelo prazo de dez anos.         De acordo com os autos, os acusados receberam salários pagos pelos dois entes públicos por jornadas de trabalho das 8 horas às 17 horas na Prefeitura de Carapicuíba e das 9 horas às 18 horas, na Câmara Municipal.         Em seu voto, o relator da apelação, desembargador Bandeira Lins, afirmou que “na hipótese, a incompatibilidade de horário era manifesta e a impossibilidade de haver exercício efetivo e de forma simultânea dos cargos é clara e insofismável, não havendo como sustentar que os réus não tinham consciência da ilegalidade praticada”. “Nestes termos, não há como afastar, em relação a nenhum dos réus, os elementos material e subjetivo da ilegalidade reconhecida”, finalizou o magistrado.         Os desembargadores Antonio Celso Faria e José Maria Câmara Júnior completaram a turma julgadora.  A decisão foi unânime.           Apelação nº 1008852-52.2013.8.26.0127                    imprensatj@tjsp.jus.br
20/09/2019 (00:00)

Contate-nos

Sede

Rua Cinco nº  3190
-  Jardim Portugal
 -  Rio Claro / SP
-  CEP: 13504-114
+55 (19) 3023-4161+55 (19) 982827143+55 (11) 959688234
© 2019 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Visitas no site:  450664