Sábado
23 de Outubro de 2021 - 

Notícias

Newsletter

Cadastre seu email, para receber informativos períodicos.

Previsão do tempo

Hoje - Campinas, SP

Máx
31ºC
Min
14ºC
Predomínio de

Domingo - Campinas, SP

Máx
28ºC
Min
20ºC
Pancadas de Chuva

Segunda-feira - Campinas...

Máx
24ºC
Min
15ºC
Nublado

Hoje - São Paulo, SP

Máx
30ºC
Min
13ºC
Predomínio de

Domingo - São Paulo, SP

Máx
24ºC
Min
20ºC
Chuva

Segunda-feira - São Pau...

Máx
20ºC
Min
15ºC
Chuva

Hoje - Rio Claro, SP

Máx
31ºC
Min
12ºC
Predomínio de

Domingo - Rio Claro, SP

Máx
27ºC
Min
18ºC
Chuva

Segunda-feira - Rio Clar...

Máx
25ºC
Min
15ºC
Chuvas Isoladas

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 5,71 5,71
EURO 6,64 6,65

EPM inicia nova edição do curso ‘Faces da violência’

Advogada Dina Alves ministrou a aula inaugural.   Com um debate sobre o tema ‘Racismo, sexismo e acesso à Justiça”, teve início nesta terça-feira (14) a terceira edição do curso Faces da violência, com exposição da advogada Dina Alves. A gravação da aula em breve estará disponível no canal da EPM no YouTube. A abertura dos trabalhos foi feita pelo diretor da EPM, desembargador Luis Francisco Aguilar Cortez, que ressaltou a importância de eventos relacionados à temática, lembrando que por muito tempo ela foi ignorada. “Temos que superar esta situação, enfrentando os temas e entendendo que apenas com respeito e solidariedade a sociedade poderá construir soluções duradouras e equilibradas para todos”, frisou. Dina Alves baseou sua exposição em sua dissertação de mestrado, “Rés negras, juízes brancos: uma análise da interseccionalidade de gênero, raça e classe na produção da punição em uma prisão paulistana”. “Falar do sistema prisional e das interseccionalidades que operam e constituem esse sistema é reconhecer como os diferentes eixos de opressão se configuram, produzindo as múltiplas discriminações e como esse estado de coisa inconstitucional, que é o sistema prisional, reconhecido inclusive pelo Supremo Tribunal Federal em 2015, situa as mulheres negras em um lugar de histórica invisibilidade social, ou seja, são negadas a elas todas as formas de acesso ao direito. E ao mesmo tempo, situa essas mulheres no lugar de hipervisibilidade dos seus corpos na distribuição da punição”, ponderou, acrescentando que essas interseccionalidades operam enquanto fenômenos historicamente determinantes e se mantém atualizadas e reconfiguradas na reprodução de discriminações. Nesse contexto, lembrou que o Brasil é o terceiro país no ranking mundial de encarceramento, com 726 mil pessoas presas, e observou que 33% desse contingente é composto por pessoas que não tiveram condenação, ponderando que são presos tecnicamente inocentes, tendo em vista o princípio da presunção da inocência. Destacou ainda que o Brasil é o quarto país em encarceramento de mulheres, com mais de 42 mil presas. E salientou que de 2000 a 2016 houve um aumento de 455% no número de pessoas presas no país, sendo que em dez anos de existência da Lei Antidrogas (Lei nº 11.343/16) houve um aumento de 207% na quantidade de mulheres presas sob essa acusação. “Chama atenção também o alto índice dessas mulheres presas sem condenação, punidas por antecipação. As mulheres presas provisoriamente representam 45% do total”, ressaltou. Participaram também do evento as juízas integrantes da Coordenadoria da Mulher em Situação de Violência Doméstica e Familiar do Poder Judiciário do Estado de São Paulo (Comesp) Teresa Cristina Cabral Santana (vice-coordenadora), Danielle Galhano Pereira da Silva e Renata Mahalem da Silva Teles, coordenadoras do curso, entre outros magistrados, servidores e outros profissionais.     imprensatj@tjsp.jus.br   Siga o TJSP nas redes sociais:  www.facebook.com/tjspoficial www.twitter.com/tjspoficial www.youtube.com/tjspoficial www.flickr.com/tjsp_oficial www.instagram.com/tjspoficial 
16/09/2021 (00:00)

Contate-nos

Sede

Rua Cinco nº  3190
-  Jardim Portugal
 -  Rio Claro / SP
-  CEP: 13504-114
+55 (19) 3023-4161+55 (19) 982827143+55 (11) 959688234
© 2021 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Visitas no site:  1139439