Terça-feira
19 de Novembro de 2019 - 

Notícias

Newsletter

Cadastre seu email, para receber informativos períodicos.

Previsão do tempo

Hoje - Campinas, SP

Máx
27ºC
Min
17ºC
Chuva a Tarde

Quarta-feira - Campinas,...

Máx
25ºC
Min
18ºC
Pancadas de Chuva a

Quinta-feira - Campinas,...

Máx
29ºC
Min
17ºC
Pancadas de Chuva a

Hoje - São Paulo, SP

Máx
26ºC
Min
17ºC
Chuva a Tarde

Quarta-feira - São Paul...

Máx
27ºC
Min
17ºC
Pancadas de Chuva a

Quinta-feira - São Paul...

Máx
28ºC
Min
17ºC
Poss. de Panc. de Ch

Hoje - Rio Claro, SP

Máx
27ºC
Min
18ºC
Chuva a Tarde

Quarta-feira - Rio Claro...

Máx
26ºC
Min
18ºC
Pancadas de Chuva a

Quinta-feira - Rio Claro...

Máx
29ºC
Min
17ºC
Pancadas de Chuva a

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 4,18 4,18
EURO 4,63 4,64

Carf afasta cobrança de R$ 3,2 bilhões contra a B3 relacionada à fusão

Por Gabriela Coelho A Receita não pode questionar o fundamento econômico de uma operação de fusão recorrendo apenas à apresentação de um laudo. Por isso, a 1ª Turma da 2ª Camara da 1ª Seção do Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf) afastou, na quarta-feira (16/10), uma cobrança de R$ 3,2 bilhões contra a B3, resultante de uma autuação fiscal relacionada à fusão da BM&F e da Bovespa, ocorrida em 2008. Prevaleceu o entendimento do relator, conselheiro Allan Marcel Warmar Teixeira. Segundo ele, "não cabe à fiscalização questionar o fundamento econômico utilizado apenas com a apresentação de um laudo". "Na minha avaliação, o laudo só poderia ser questionado se fosse fruto de simulação. Assim, a rentabilidade futura não pode ser questionada. Não tem como questionar a rentabilidade futura sem estar questionando a lisura da operação. E questionar a lisura da operação requer uma acusação específica de simulação”, explicou. A Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional afirmou que vai recorrer da decisão à Câmara Superior do tribunal administrativo. Caso Semelhante Em setembro, a 1ª Turma da Câmara Superior Carf manteve uma cobrança estimada em R$ 2,6 bilhões contra a B3. Prevaleceu, no julgamento, o voto de qualidade. O colegiado julgou ilegal o uso de ágio pela B3, em 2010 e 2011, para reduzir o valor a pagar do Imposto de Renda Pessoa Jurídica (IRPJ) e da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL). 16327.720307/2017-34

Contate-nos

Sede

Rua Cinco nº  3190
-  Jardim Portugal
 -  Rio Claro / SP
-  CEP: 13504-114
+55 (19) 3023-4161+55 (19) 982827143+55 (11) 959688234
© 2019 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Visitas no site:  480936