Segunda-feira
10 de Agosto de 2020 - 

Notícias

Newsletter

Cadastre seu email, para receber informativos períodicos.

Previsão do tempo

Hoje - Campinas, SP

Máx
26ºC
Min
13ºC
Predomínio de

Terça-feira - Campinas,...

Máx
28ºC
Min
14ºC
Predomínio de

Quarta-feira - Campinas,...

Máx
30ºC
Min
16ºC
Predomínio de

Hoje - São Paulo, SP

Máx
26ºC
Min
14ºC
Predomínio de

Terça-feira - São Paul...

Máx
28ºC
Min
17ºC
Predomínio de

Quarta-feira - São Paul...

Máx
29ºC
Min
15ºC
Predomínio de

Hoje - Rio Claro, SP

Máx
27ºC
Min
9ºC
Predomínio de

Terça-feira - Rio Claro...

Máx
28ºC
Min
12ºC
Predomínio de

Quarta-feira - Rio Claro...

Máx
31ºC
Min
12ºC
Predomínio de

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 5,42 5,42
EURO 6,38 6,39

Acusados de explodir caixas eletrônicos são condenados

Crime aconteceu na cidade de Nuporanga.   A Vara Única de Nuporanga condenou, na terça-feira (28), cinco acusados de explodir caixas eletrônicos de agência do Banco do Brasil, em 2017. Quatro deles foram sentenciados a 9 anos, 8 meses e 3 dias de reclusão e um a 8 anos, 5 meses e 18 dias, todos em regime inicial fechado. O grupo roubou cerca de R$ 366.880 e trocou tiros com a polícia.  Consta nos autos que investigadores, através de escutas telefônicas, vinham acompanhando casos envolvendo roubos de veículos. No decorrer das investigações, no entanto, percebeu-se que os crimes tinham como objetivo algo maior, especialmente roubos em agências bancárias. Dessa forma chegou-se ao paradeiro dos réus. Entre os criminosos, havia um policial militar, que também foi condenado à perda do cargo, e um ex-PM que se encontra foragido. Na decisão, o juiz Iuri Sverzut Bellesini descreveu a investigação como “firme, coerente e frutífera” e disse que a ação criminosa causou grave comoção e transtorno para a cidade de sete mil habitantes, “que se viu sitiada por inpíduos mascarados e fortemente armados, que usaram explosivos para ‘estourar’ agência do Banco do Brasil que, aliás, ficou fechada por meses”. Ao negar o direito dos réus de recorrer em liberdade, decretando prisão preventiva, o magistrado afirmou que “ignorar a fase executiva é olhar apenas para a imposição da pena, a qual se torna inócua se não executada, tornando inútil toda a movimentação da máquina estatal e deixando desprotegido o cidadão que espera do Estado a efetiva tutela dos bens jurídicos penais”. Cabe recurso da decisão.   imprensatj@tjsp.jus.br   Siga o TJSP nas redes sociais: www.facebook.com/tjspoficial www.twitter.com/tjspoficial www.youtube.com/tjspoficial www.flickr.com/tjsp_oficial www.instagram.com/tjspoficial    
30/07/2020 (00:00)

Contate-nos

Sede

Rua Cinco nº  3190
-  Jardim Portugal
 -  Rio Claro / SP
-  CEP: 13504-114
+55 (19) 3023-4161+55 (19) 982827143+55 (11) 959688234
© 2020 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Visitas no site:  777928